MTV Brasil

sábado, 26 de maio de 2012

iBahia - Começa venda de ingressos para evento com Titãs, Agridoce e Frejat

ATRÊ "... mas não conta pra ninguém!"

" Você sabe guardar...Segredos? "


Na telinha, as Pretty Little Liars vivem numa paranoia por terem compartilhado informações íntimas entre si.
Elas são ameaçadas por mensagens anônimas aparentemente enviadas por uma amiga que desapareceu misteriosamente. Na vida real, também tá cheio de menina(o) que acaba vivendo um drama só por não saber guardar segredo! Se você também já caiu nessa roubada, é bom ficar ligado! Ter alguém com quem compartilhar nossas intimidades realmente nos deixa mais aliviados. Nessas horas, procuramos pessoas de quem gostamos para desabafar. Só que, assim como esperamos que a BFF (Best Friends Forever) guarde o nosso segredo, ela também espera que sejamos capazes de fechar a boca e não passar adiante aquilo que ela nos contou. Agora, você já se perguntou por que isso é tão difícil? "Quando você fica sabendo de um segredo, é natural querer compartilhá-lo, porque é como se isso mostrasse que você é especial, afinal, aquela pessoa confiou em você para guardá-lo" explica a psicóloga Olga Tessart.

Xiuuu... não conte a ninguém!

Ainda que seja normal sentir vontade de passar o baphão adiante, é bom pensar bem. Às vezes, o que parece ser uma coisa boba pra você pode complicar a vida de quem está envolvido. Foi isso o que rolou com a leitora Ingrid Gonçalves, de 14 anos, que descobriu que sua BFF estava saindo com um garoto comprometido. No início, ela ficou na dela, mas só até a amiga contar que eles tinham transado. "Abri o jogo com a ficante dele. Foi mais forte do que eu!", conta. Dá pra imaginar a confusão que Ingrid causou, né?De quebra, perdeu a BFF, que nem fala mais com ela. Já Tatiana, de 13 anos, conseguiu salvar a relação com a amiga. "Entrou um garoto na escola e minha BFF, que namorava, se interessou. Certo dia, em uma festa, os dois ficaram. Ela se arrependeu mas, no dia seguinte, encontrei o namorado dela e acabei contando tudo", diz Tati. O garoto acabou perdoando a namorada e ela ainda não sabe quem a entregou. Por isso a amizade continua.

boca fechada não entra mosca!


"Foi sem querer querendo..."
Existem momentos em que agente solar um segredo simplesmente porque não consegue formar uma opinião sem ouvir o que uma terceira pessoa acha. No caso da Renata Campos, de 13 anos, o babado foi o seguinte: sua melhor amiga descobriu que também gostava de garotas. E confiou o segredo à Renata, só que ela não aguentou. "Aquela informação foi muito forte, eu não sabia como agir dali com ela pra frente. Aí acabei dividindo o caso com dias pessoas, só que elas espalharam pra todo mundo", lembra. Quando a BFF descobriu, foi tirar satisfações. "Fiquei mal, mas pedi desculpas, contei como me sentia. Ela entendeu e voltou a confiar em mim. E eu aprendi a lição", garante. Já Laís Gomes, de 15 anos, se meteu em encrenca por pura distração. "Minha amiga estava afim de um garoto só que ela namora. Fomos a uma festa e ele estava lá. Em um determinado momento eu disse: 'Se toca, ele tá todo na sua!' A questão é que o namorado dela estava passando e ouviu", conta. Ele foi tirar satisfações com o tal garoto e rolou a maior confusão. Porém, a melhor amiga da Laís acabou aliviando a lado dela. E o final foi feliz pra todo mundo.




Dá pra fazer diferente...!


Ainda que algumas garotas consigam preservar a amizade depois de passar um segredo pra frente, é bom não bobear. Afinal, as chances de perder a BFF são grandes. E tem mais: se pensar um pouquinho em você e na dona do segredo, vai ver que sempre existe um jeito inteligente de resolver tudo. O importante é parar para pensar, em vez de agir no impulso. Foi essa a atitude de Larissa Moreira, de 16 anos. Ela descobriu que uma das suas melhores amigas tinha ficado com o namorado da outra. "Quando soube, fiquei mal. Senti que não queria trair a confiança de ninguém. Então abri o jogo e disse que não concordava em guardar o segredo. Avisei que eu contaria à outra amiga se ela não fizesse isso antes. Ela concordou, porque sabia que estava errada," lembra. "Abri o jogo com quem lhe contou é uma boa saída. A confiança é uma das coisas mais importantes numa amizade e não vale a pena estragá-la só por causa de uma fraqueza", aconselha a psicóloga Jussania Oliveira.   


"somos amigos não conte meu segredo"

Marcela Soares, 17 anos, também conseguiu pensar numa boa estratégia ao se deparar com um segredo daqueles! "Meu amigo engravidou uma garota e eles decidiram abortar. Ele dividiu isso comigo e, é claro, fiquei péssima. Na hora, senti vontade de falar com alguém. Mas não podia pisar na bola. Então, preferi procurá-lo e ficamos conversando por um tempão. Foi muito difícil, mas eu consegui esquecer tudo", diz. No fim, a Marcela até desabafou, mas sem complicar a vida do amigo. "Quando alguém nos conta algo importante, é natural que a gente precise partilhar, até para poder organizar melhor os pensamentos," diz Olga. Isso não significa que você precise contar para a escola inteira o babado, até se sentir aliviada. E o que a Marcela fez foi pra lá de inteligente. Ela procurou o autor do segredo e não envolveu mais ninguém. "Essa segunda conversa também ajudou o meu amigo, que conseguiu pensar um pouco melhor sobre a situação", diz Marcela. 

Revista: ATREVIDA
Por: Rita Trevisan e Louise Vernier

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Rock in Rio - Lisboa 2012


16:10 Sepultura: show no Rock in Rio-Lisboa 2012 nesta sexta-feira


Com o prestígio de ter seu mais recente trabalho "KAIROS" na lista dos melhores discos lançados em 2011 pelos principais meios de comunicação especializados do Mundo, o Sepultura está de volta ao palco do Rock in Rio-Lisboa. Desta vez, a banda tem como convidados especiais os percussionistas franceses Tambours du Bronx. A performance acontece, nesta sexta-feira (25/05), no Parque da Bela Vista, e terá transmissão ao vivo, a partir das 15h, pelo canal oficial do festival no Youtube (http://www.youtube.com/rockinrio).

Existe uma grande expectativa em torno da parceria Sepultura-Tambours du Bronx, já que a atuação conjunta destes dois nomes, no palco Sunset do Rock in Rio 2011, tornou-se um dos concertos mais aplaudidos da última edição do festival no Brasil.

Site oficial do Rock in Rio-Lisboa: www.rockinriolisboa.sapo.pt

15 anos sem Renato Russo

Tributo a Renato Russo no final de maio

A MTV Brasil se prepara para realizar um tributo único e surpreendente para homenagear a maior banda de rock do Brasil de todos os tempos: a Legião Urbana. Nos dias 29 e 30 de maio, Wagner Moura subirá ao palco junto com Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá, no Espaço das Américas.
 
 
O ator Wagner Moura, que declara-se fã incondicional da Legião Urbana, tem a banda Sua Mãe com 6 amigos de Salvador há 20 anos. "Eu me sinto exatamente como um fã que foi pinçado no meio da plateia e convidado a estar ali no palco junto com meus grandes ídolos", conta Wagner Moura, "A Legião Urbana é a maior banda brasileira de todos os tempos, uma banda que mudou minha vida, e eu me sinto muito privilegiado de ter sido convidado para fazer isso, eu não perco essa oportunidade por nada no mundo".


A Legião Urbana nasceu em Brasília em 1982, fundada por Renato Russo, Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá. Da garagem aos estúdios, a banda entrou para a história desde o lançamento do primeiro disco, "Legião Urbana", em 1985. Dez anos depois a banda faria sua última apresentação ao vivo e acabaria, em 1996, com a morte de Renato Russo. Com um legado de oito discos de estúdio e vários ao vivo (com mais de 15 milhões de cópias vendidas), as canções da banda já fazem parte da identidade cultural do país.


Dado e Bonfá fazem questão de lembrar que a Legião Urbana acabou em 1996 e que ninguém pode substituir Renato Russo. Também não existe a menor possibilidade de retorno da banda e nem a intenção de apresentar esse show em outras cidades do país. Wagner Moura explica que ele não vai "encarnar" o Renato Russo neste show e sim prestar uma homenagem interpretando às músicas da banda ao lado de Dado e Bonfá, a convite da MTV Brasil.
Serviço: MTV ao Vivo, com Wagner Moura, Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá -tributo da MTV à Legião Urbana.
 

Data: 29 e 30 de maio
Abertura da casa: 21h
Local: Espaço das Américas - Rua Tagipurú, 795 - Barra Funda - São Paulo
Valor do ingresso: R$ 200 (inteira) e R$ 100 (meia)
Onde comprar: bilheteria, call center (São Paulo Capital: (11) 2027-0777 / demais cidades: 4003-5559) ou www.ticket360.com.br
Classificação indicativa: 18 anos (acima de 12 anos acompanhado dos pais ou responsáveis).

terça-feira, 15 de maio de 2012

Blessed deste fim de semana irá celebrar o Lançamento na Bahia da Campanha pelo Casamento Cívil igualitário

Blessed deste fim de semana irá celebrar o Lançamento na Bahia da Campanha pelo Casamento Cívil igualitário

Uma Mulher é agredida a cada 5 minutos no Brasil



(Fantástico/Rede Globo) 
Em quase 70% dos casos, quem espanca ou mata a mulher é o namorado, marido ou ex-marido
 
Assista à reportagem exibida no programa Fantástico de 06/05/2012
Esta semana, o Ministério da Justiça recebeu um relatório preocupante sobre a violência contra a mulher no Brasil. A cada cinco minutos, uma mulher é agredida no país. Em quase 70% dos casos, quem espanca ou mata a mulher é o namorado, marido ou ex-marido. Qual é o estado brasileiro onde mais ocorrem assassinatos de mulheres? E o que está sendo feito para acabar com tanta barbaridade?

Namoradas, noivas, esposas – não importa. “Me arrastou pelo cabelo, me jogou dentro do banheiro, enfiou minha cabeça dentro do vaso, me bateu muito, me chutou”, lembra uma vítima. A cada cinco minutos, uma mulher é espancada no Brasil. “Eu vi a morte na minha frente. O vi pegando uma faca e vindo para o meu lado”, conta a vítima.
Pode ser uma recém-casada, grávida de seis meses: “O último que ele ia me dar ia ser na barriga, porque, a todo momento que ele dava uma paulada, ele falava que ele ia me matar”, diz uma mulher.

Pode ser alguém apanhando em silêncio por mais de dez anos: “Aquilo já virou tão rotina, que você não conta mais quantas agressões foram, se foram três em um mês, se foram dez”.
Nem a polícia consegue evitar. “Infelizmente, determinados homens botam na cabeça que a mulher é um objeto dele, que pertence a ele, que ele pode tudo sobre ela, que ele pode bater, que ele pode brigar e que ele pode até matar”, afirma o delegado Adroaldo Rodrigues.

O mapa da violência de 2012, pesquisa coordenada e recém concluída pelo sociólogo Júlio Jacobo, mostra uma clara diferença entre assassinatos de homens e mulheres: “Homem morre primordialmente na rua. Homem morre primordialmente por violência, entre os pares, entre os jovens, na rua. Mulher morre no domicílio, na residência”, explica Jacobo.
Ao todo, 68% das mulheres que procuraram o Sistema Único de Saúde em 2011 para tratar ferimentos disseram que o agressor estava dentro de casa. Em 60% dos casos, quem espanca ou mata é o namorado, o marido ou ex-marido.

“Minha vida já estava um inferno na companhia de alguém que dizia que amava, mas horas depois estava me batendo”, conta uma mulher.
Entre 87 países, o Brasil é o 7º que mais mata. São 4,4 assassinatos em cada grupo de 100 mil mulheres. O estado mais violento é o Espírito santo, com 9,4 homicídios por 100 mil. E o que mata menos é o Piauí, com 2,6 homicídios por 100 mil mulheres. O Fantástico foi aos dois estados para entender as razões dessa diferença.
Trezentas mulheres são atendidas na Delegacia da Mulher da Cidade de Serra, na Região Metropolitana de Vitória, e pelo menos 200 homens são investigados todos os meses. Como Renildo, que jura inocência: “Mulher, a gente… Não se bate. Se bate com uma rosa”, afirma.

O que não quer dizer que Luzia tenha paz: “Ele quebra a janela, invade a casa, entra dentro de casa. Ele quebra a fechadura da porta e entra dentro de casa, fica me esperando dentro de casa. Quando eu vejo que ele está dentro de casa, em vez de entrar dentro de casa, eu saio e ligo para a polícia. Só que na hora que eu ligo para a polícia, ele se manda, vai embora, e a polícia nunca pega”, ela relata.
Nenhum argumento o convence: “Eu gosto dela, eu não me esqueço dela”, ele garante. “Eu já falei com ele: ‘me dá um tempo, me deixa viver em paz, deixa eu viver minha vida. Eu já perdi meus empregos por causa de você’. Mesmo assim, ele não me deixa em paz”, ela diz.

“Eu tenho o número dela aqui. Não vou falar que não. Eu ligo”, Renildo confessa. “Enquanto eu estou conversando com você aqui ele já ligou! Pode olhar, enquanto eu estou conversando com vocês aqui. Ele liga 24 horas para o meu celular”, diz Luzia.
A delegada da mulher Susane Ferreira o chamou para explicar que ele tem de ficar pelo menos 200 metros longe dela. É ordem do juiz: “O desrespeito a essa decisão acarreta a sua prisão”, avisa.


Renildo prometeu à delegada que ia respeitar a ordem. Mas a convicção não passou da porta: “Eu não vou desistir, não. Eu vou correr atrás”, confessou. O resultado foi a prisão dele na semana seguinte. Mas nem algemado, nem levado ao xadrez, ele se convenceu: “Ela gosta de mim ainda.Tenho certeza absoluta. Ela falou que vai retirar a queixa. É para eu pagar meu erro. Então vou pagar. Acho que meu erro foi pressionar ela demais. Reconheço que pressionei ela demais. Ajudei ela bastante, o que eu pude fazer por ela eu fiz”, afirma.
Argumentos econômicos como esse são bastante comuns. “Eu paguei um curso, eu paguei uma faculdade. E aí, para eles, isso é uma dívida eterna. A companheira tem que se submeter à estrita vontade dele”, explica a delegada Susane.
A dependência econômica fez com que uma mulher esperasse 13 anos para denunciar o marido. “Ele era agressivo no começo. Teve uma vez que eu tentei terminar com ele e simplesmente ele foi lá e me deu um tapa na cara”, ela lembra.

Houve um tempo em que apanhava dia sim, dia não: “Eu já criei aquele medo dele, que eu comecei a não ligar mais, a falar: ‘eu tenho que obedecer ele e acabou. Eu vou continuar com ele’. Já não questionava mais, obedecia. Agia assim por medo dele”, revela.
No dia em que ela propôs separação, o marido se enfureceu: “Ele me empurrou. E nisso que eu abaixei para pegar a minha bolsa ele me deu uma paulada aí eu desmaiei. Com um pedaço de pau a paulada”, ela diz.
 Acesse o texto da reportagem em pdf: Uma mulher é agredida a cada 5 minutos no Brasil (Fantástico/Rede Globo – 06/05/2012)
Fonte: APG  – http://revistaafricas.com.br/archives/80129
Axé para todos!!!   Igualdade Racial É Pra Valer!!!

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Games: Proteção Extra

Varia Suit | Metroid | Nintendo | NES



Dizem que a melhor defesa é o ataque. Balela. A melhor defesa é ter alguma coisa que esteja separando a sua carne frágil de um machado, ou o seu crânio valioso de uma bala. Quem não tem invulnerabilidade, caça com armaduras.


Por isso, os games se empenharam, através dos anos, em montar um verdadeiro panteão de roupas que servem para proteger o usuário. Elas podem ser de alta tecnologia, místicas ou até mesmo primitivas, mas o importante é que elas garantam que a sua frágil existência se prolongue. Escolhemos as nove armaduras mais interessantes do mundo dos games.


Durante grande parte de “Mass Effect 2”, você enfrenta os Collectors, alienígenas meio insetos, meio humanóides, que são protegidos por uma carapaça resistente. Se você é insano, vai pensar: “Eu gostaria de trocar minha armadura espacial incrível por essa carapaça alienígena dos infernos”. Pra sua sorte, a BioWare sabe ler mentes e é insana e, como parte de pacotes de DLC, criou a Collector’s Armor, que confere benefícios à barra de vida e à velocidade de Shepard. Tudo feito com tecnologia Cerberus, então, não tem erro.


Você está em uma cidade submersa cheia de degenerados malucos que querem arrancar seu couro. O único jeito de ficar tranquilo é entrar em uma armadura de Big Daddy, um pesado escafandro revestido de placas de metal, aparentemente pesando o mesmo que um carro, e rodar pelos corredores como se nada estivesse acontecendo. Pensando bem, talvez seja por isso que “BioShock 2” não seja tão eficiente em causar desespero: no fim das contas, você está dentro do seu escafandro impenetrável.


A HEV Suit (Hazadous Environment Suit, ou traje de ambientes perigosos) tem tudo o que um cientista pode precisar no perigoso laboratório da Black Mesa: proteção contra eletricidade, radiação e... impactos? Que tipo de condições de trabalho será que essa empresa oferece? Além disso, o traje tem um sistema de injeção automática de morfina e, caso os sinais vitais fiquem baixos, uma suave voz feminina relembra que o usuário está no bico do corvo. Sério, o que a Black Mesa esperava de seus cientistas?


As armaduras dos Spartans são construídas como pequenas naves ao redor de seus corpos. Elas filtram e purificam o ar, trazem algum suporte de oxigênio e escudos de força. Elas também conferem força aumentada para o usuário, além da capacidade de pular bem alto. O nome vem do martelo de guerra usado pelo deus do trovão Thor, da mitologia nórdica. Os jogadores puderam experimentar o terror da vida fora da armadura em Halo 3: ODST, um game no qual o controle vai para soldados da tropa orbital humana. Alguns tiros bem dados e já era, adeus vida cruel.


A Nanosuit foi desenvolvida pelo exército para transformar o soldado no predador máximo e permitir que ele sobreviva a ambientes extremamente hostis. Com quatro modos ativos, a armadura pode conferir resistência, super força, super velocidade ou invisibilidade. O projeto é tão top de linha, tão secreto, que é possível vaporizar a armadura de algum outro soldado remotamente, para que ela não caia em mãos inimigas. Infelizmente isso vaporiza o soldado junto, mas faz parte.


A roupa de Old Snake em “Metal Gear Solid 4” não é apenas um elaborado colete a prova de balas que cobre todo seu corpo ou um suporte para seu equipamento. Talvez a melhor função da OctoCamo seja sua rede de câmeras e fibras óticas que permitem que Snake se camufle dinamicamente com o cenário que o cerca, uma coisa muito útil para um espião desse calibre.


Mario é um cara que não se importa muito com armaduras. Ele anda por aí com seu uniforme de encanador, pisando na cabeça dos inimigos, sem se preocupar muito. Mas com a Tanooki Suit, Mario se transforma em uma estátua de pedra invulnerável e ignorada pelos inimigos. A melhor armadura é aquela que protege, e essa aqui faz bem o trabalho, ainda que sacrificando a mobilidade.


Samus Aran não vai para a batalha sem sua famosa Power Suit, uma armadura com canhão acoplado capaz de virar uma bola. Até aí tudo bem. Mas na exploração de planetas – ramo que a mercenária se especializou – é comum achar cavernas profundas cheias de lava e, nessas situações, nada melhor que a Varia Suit, que protege a heroína do calor extremo. O engraçado é ver que Varia é uma tradução incorreta do japonês, de Baria Suit, ou Barrier, barreira. Seria bem mais simples de entender o que ela faz, já que não varia absolutamente nada em nenhuma circunstância.



Ocorreu um erro neste gadget